SEGURANÇA PÚBLICA COM CIDADANIA

O BLOG FOI CRIADO PARA DIVULGAR A ATUAÇÃO DAS FORÇAS DE SEGURANÇA PÚBLICA QUE 24 HORAS POR DIA, 7 DIAS POR SEMANA, DEFENDEM E PROTEGEM A SOCIEDADE E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO. ALÉM DE INFORMAR SOBRE OUTROS TEMAS, REPORTAGENS, ARTIGOS E VÍDEOS LIGADOS A SEGURANÇA, OPERAÇÕES POLICIAIS, TÁTICAS E ARMAS DE FOGO.

sábado, 28 de maio de 2016

PMMG: TÁTICO MÓVEL DO 13°BPM EM AÇÃO!





Durante patrulhamento no Tupi, Governador Milton Campos, a viatura do Comando Tático abordou um GM prisma com dois indivíduos e localizou com eles um revólver cal. 32. Durante verificação os milicianos descobriram um vídeo no celular de um deles em que os indivíduos testavam uma submetralhadora. As equipes deslocaram no bairro Novo Aarao Reis e na residência dos autores nada de ilícito foi localizado, contudo, foi descoberto um barracão utilizado por eles, onde foram localizadas 03 submetralhadoras e vários materiais utilizados para a fabricação das armas.

FONTE: https://www.facebook.com/tmpmmg/

Polícia Civil realiza operação em condomínio na cidade de Três Lagoas(MS) e apreende arma de fogo e drogas

Polícia Civil realiza operação em condomínio na cidade de Três Lagoas(MS) e apreende arma de fogo e drogas


TRÊS LAGOAS(MS): Na tarde de ontem (23/05), por volta das 16:00 horas, policiais civis do Setor de Investigações Gerais –SIG— e Policiais Militares do Serviço Reservado do 2º BPM local realizaram diligências junto a um condomínio residencial localizado na rua Getúlio Garcia Marques, Jardim Alvorada, nesta cidade, tendo em vista denúncias de que ali estaria sendo comercializado entorpecentes, quando então foi apreendido no apartamento de V.A.M.A.(21), vulgo “VITINHO ou LAND ROVER”, duas porções de maconha, sendo que uma estava na geladeira e outra menor no interior do quarto dele, sendo elaborada ocorrência de posse de entorpecentes.
SIG TRES LAGOAS
Em seguida os policiais resolveram vistoriar o apartamento do cunhado de V.A.M.A., R.O.S., com 29 anos de idade, tendo em vista o mesmo residir ao lado do apartamento de Victor, onde foi apreendida uma arma de fogo tipo revólver, marca Taurus, calibre 38, inox, municiada com quatro capsula intactas, sendo que R.O.S. disse que tal arma seria de seu cunhado e que o mesmo teria lhe pedido para guarda-la ali. Tendo em vista que V.A.M.A. não possui nenhuma documentação da arma em questão, o mesmo, assim como R.O.S. foram autuados em flagrante delito pela prática de posse ilegal de arma de fogo de uso permitido, pagando cada um, fiança no valor de R$1.500,00 para responderem ao processo em liberdade.

Durante as diligências, foi abordado o indivíduo S.A.L., com 28 anos de idade, também morador do condomínio, tendo em vista que os policiais tinham informações de que ele era uma das pessoas que comercializava drogas ali no local, quando então foram encontrados no bolso de sua bermuda R$10,00, uma porção de maconha e um cigarro da mesma substância. Ato contínuo, os policiais foram até o apartamento de Samuel, onde foram apreendidos R$40,00 em cédula de R$20,00; R$22,00 em moeda; uma balança de precisão e mais uma porção de maconha, razão pela qual S.A.L. foi atuado em flagrante por tráfico de entorpecentes e encaminhado ao presídio local à disposição da Justiça.

Denúncias podem ser realizadas através dos telefones 190 e 67.3929.1173, cujo denunciado não precisa se identificar

32º BPM. PMERJ prende três suspeitos e apreende drogas e armas após denúncias da população


 
 Após receber denúncias, alertando sobre a prática de tráfico de drogas, policiais do 32º Batalhão de Polícia Militar realizaram uma operação de cerco na Rua da Assembléia, no bairro Vila Verde, em Macaé, na tarde desta quarta-feira (25/05). No local, três suspeitos foram detidos e, com eles, apreendidos uma pistola calibre 9 mm, com numeração ilegível, 1.594 Kg de cocaína, 278,4 g de maconha e um simulacro de pistola. A ocorrência foi encaminhada à 121ª DP (Casimiro de Abreu).

Ainda em Macaé, policiais foram informados, também através de denúncias, sobre a existência de armas de fogo escondidas na comunidade Nova Holanda. Equipes fizeram buscas na localidade e encontraram enterrado, atrás de uma parede falsa, um fuzil AK 47 calibre 7.62 mm, com um carregador contendo 77 munições. O material estava em um terreno utilizado como galinheiro e foi encaminhado para registro de apreensão à 123ª DP (Macaé).

Faça sua parte, colabore com a Polícia Militar. O 32º BPM disponibiliza os telefones (22) 2765-7296 e (22) 98168-2344 para denúncias.

fonte: PMERJ

Guarda Municipal de Jundiaí encontra carreta roubada




Equipes do Canil da Guarda Municipal de Jundiaí localizaram nesta tarde(24) através do patrulhamento comunitário, uma carreta descarregada, já sem o “cavalinho” próximo do Distrito Industrial. A carreta estava estacionada em frente a empresa Suzer.

Segundo informações da equipe chefiada pelo Inspetor Alceu Marestoni, bandidos que ocupavam dois veículos, fizeram o motorista da carreta refém por algumas horas nesta madrugada próximo do Rodoanel Mario Covas após ter descarregado uma carga de grãos no porto de Santos. O motorista foi localizado pelos policiais do 5º DP e passa bem.

Os guardas municipais Pastrelo e Vilson, além do Inspetor Alceu, apresentaram a ocorrência no distrito. Já os guardas Durval e M.Silva, ficaram no local da carreta aguardando o guincho.

Outro veículo

Pela manhã no Jardim Tarumã, os guardas municipais Lima, Jonas e Gadelha do Apoio Tático em patrulhamento pelo bairro localizaram um Fiat Tipo estacionado de forma suspeita sob a calçada na rua Unaí.

Pela pesquisa cadastral, o Centro de Operações Táticas da GM informou que o veículo que estava com as portas destravadas possuía queixa de furto no último dia 18 de maio.

O Fiat Tipo na cor prata foi guinchado e a ocorrência apresentada no 3º DP.

texto e foto Luciano Guerino GMJ
https://www.facebook.com/Guarda-Municipal-De-Jundia%C3%AD-Atendimento-de-Ocorr%C3%AAncias-1398033750522262/?fref=ts

Décima do mês: mais uma arma é retirada de circulação na região do 5º BPM

Por: SD Vanessa De Oliveira Werncke Gonçalves , Em 25/05/2016
A Polícia Militar de Tubarão vem realizando um grande trabalho na região do 5º Batalhão de Polícia Militar (BPM). Cada uma das operações tem conseguido atingir um saldo altamente positivo no que diz respeito à apreensão de armas, criminosos e entorpecentes, entre maconha, cocaína e crack. Na manhã desta terça-feira (24) foi tirada de circulação mais uma arma de fogo em Tubarão, esse que é o principal meio utilizado para a prática de roubos na nossa região.Essa foi a 10ª arma de fogo apreendida neste mês de maio na região do 5ºBPM.

A apreensão ocorreu por volta de 12h30min, quando após informações da Agência de Inteligência (AI) e Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT) do 5º BPM, dando conta de um homem possuía uma arma de fogo, além de drogas em sua residência, os policiais militares se dirigiram até a residência indicada e avistaram o suspeito. Ele tentou fugir, mas foi abordado pelos policiais militares na rua. O homem de 22 anos, estava próximo a sua casa, sendo encontrado no local uma quantidade de droga e um revólver .38, com 11 munições. Ele e uma mulher, de 19 anos, foram conduzidos até a Delegacia de Polícia para os procedimentos cabíveis.


Com esta apreensão, totalizam-se 27 armas de fogo apreendidas neste ano de 2016 na região do 5º BPM.

Por amor, justiça e vocação, 491 policiais civis finalizam academia para atuarem em Mato Grosso

Leidiane Montfort | PJC-MT
Foto por: Lenine Martins/Sesp-MT

Na reta final do Curso de Formação Técnico-profissional, 491 novos escrivães e investigadores da Polícia Judiciária Civil se capacitaram nos últimos 3 meses em treinamentos de investigação e inteligência, abordagem, armas e munição, defesa pessoal, criminalística, entre outras disciplinas afetas à atividade policial.

Com diferentes formações acadêmicas, naturalidade e motivações pessoais, a turma de novatos forma um grupo heterogêneo, mas consciente da profissão e suas complexidades, que envolvem risco de vida, disponibilidade de tempo integral e muita dedicação.

Os policiais em treinamento integram os candidatos excedentes ao concurso de 2013. Eles tiveram que aguardar por um ano a formatura e lotação dos aprovados dentro do número de vagas previstas em edital. Durante o tempo de espera eles se mobilizaram para sensibilizar sobre a necessidade para Mato Grosso do novo incremento policial. E deu certo.

Conheça um pouco mais dos profissionais que atuarão em delegacias de todo o Estado até o próximo mês.

Foto por: Lenine Martins/Sesp-MT

Excedentes

Nos esforços para que o cadastro de reserva fosse chamado, a investigadora Débora Aparecida Ribeiro Pereira, 33 anos, se mostrou uma das mais ativas. Graduada em Química, ela se desdobrou, junto a outros candidatos, em reuniões, acampamentos e corridas de rua em Cuiabá.

“Nasceu como um sonho de cada um dos candidatos. Quando percebemos que era possível ser concretizado nós agarramos da forma que pudemos, com todas as forças. À medida que se vai conhecendo as pessoas, vendo o comprometimento de cada um para estar na Acadepol, a motivação de fazer a diferença aumenta”, afirma.

Foto por: Lenine Martins/Sesp-MT

A escrivã de polícia Lilian Braz de Oliveira, 28 anos, trabalhava como assessora jurídica em Brasnorte (579 km a Noroeste) quando começou a sonhar com a carreira policial pela disciplina, organização e companheirismo. Ela acredita que o fato de ter esperado por mais de um ano tenha dado um ‘fôlego’ extra à nova turma de escrivães e investigadores. “O fato de ser excedente proporcionou uma garra a mais. Só chegou até aqui quem realmente queria de verdade. Quem era só concurseiro ficou pelo caminho”.

Superação após o luto

Das histórias de vida entre os novos investigadores uma das mais fortes é a de Anderson José da Silva, 41. O investigador chegou a frequentar o curso de formação em 2008, mas abandonou após a notícia da morte do filho de menos de um ano de idade. Ele retornou para Brasília (DF) para ficar junto aos familiares. Mas o desejo de ser policial civil continuou e em 2013 ele resolveu prestar outro concurso para integrar a PJC. “Saber que a atividade policial é uma das mais importantes para a sociedade me motiva a lutar por justiça”.

Foto por: Lenine Martins/Sesp-MT


Braço armado da sociedade

A investigadora Marcella Pereira Milhomem, 36 anos, mãe de duas filhas, é graduada em Educação Física. Durante o curso de formação ela ministra aulas de Yoga ao público externo e aos colegas da Acadepol, ação à parte da grade curricular obrigatória. Segundo ela, a atividade ajuda a lidar com o estresse, ansiedade e alta carga emocional que circundam o ambiente policial.

Sobre a escolha profissional, afirma ser destino pessoal. “Foi 'maktub' – palavra árabe que significa 'estava escrito'. Ao longo da minha vida fui burilada para o serviço policial. Sempre me identifiquei com o senso de justiça e o dever cumprido”.

Foto por: Lenine Martins/Sesp-MT
Outro graduado em Educação Física é Rodrigo Amorim, 36 anos, do Rio de Janeiro, que se distanciou fisicamente da família – formada por policiais militares, investigadores e delegado – além da paisagem da cidade maravilhosa para “prender bandidos” em Mato Grosso. “Se existe um braço negativo para atuar na criminalidade, precisa existir um braço positivo para combatê-la. Este é, justamente, meu sonho de infância”.

Seguindo os passos de Nezito

Foto por: Lenine Martins/Sesp-MT

O exemplo familiar foi o grande motivador para que o investigador Fabiano Aparecido Nogueira Sampaio, 35 anos, quisesse integrar os quadros da PJC. Formado em Rede de Computadores, o ex-cabo do Exército é filho de policial militar e sobrinho de uma das lendas da Polícia Civil, Nezito Pereira Nogueira, falecido em 2008 durante uma cirurgia cardíaca.

“Ele foi o meu principal motivador a ingressar na Polícia Civil, e segue como o maior exemplo para minha carreira”, conta Fabiano. Nezito se destacou por um longo trabalho de cunho operacional, com passagens pela Serviço de Apoio e Repressão Armada (SARA) da Polícia Militar, forças especiais do exército, na antiga Divisão de Operações Especiais (DOE), e na Gerência de Operações Especiais (GOE), cujo centro de treinamento leva seu nome.

“Ao longo de cinco anos, aprendi muito com a competência de Nezito e seu conhecimento relativo a operações especiais, e também com o modo que desenvolvia sua liderança junto à equipe. Sem dúvida, ele era uma referência nacional em operações especiais”, destaca o coordenador de táticas policiais e instrutor de planejamento operacional e gerenciamento de crise na Acadepol, Joelson da Costa Almeida, o Kaká, chefe de operações há 10 anos da Gerência de Operações Especiais (GOE).
Reconhecendo o valor e exemplo dos policiais do passado, e o frescor do entusiasmo dos novatos, a Polícia Judiciária Civil chega aos seus 174 anos se reinventando para servir aos mato-grossenses com firmeza, garra e dedicação. A formatura dos 36 escrivães aconteceu na quarta-feira (25.05). Já os 455 novos investigadores serão graduados no dia 24 de junho.
Foto por: Lenine Martins/Sesp-MT


Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso
(65) 3613-5673

sexta-feira, 27 de maio de 2016

"Novo Cangaço" ameaça policiais militares e moradores no sertão nordestino

Aliny Gama
Colaboração para o UOL, em Maceió

Divulgação/SSP-PI
Arsenal apreendido pela Polícia Militar após a explosão de um caixa eletrônico no interior do Piauí, feito por um grupo que se autodenomina "Novo Cangaço"

No sertão nordestino, um grupo de assaltantes de bancos que se autodenomina "Novo Cangaço" tem atuado de forma violenta, explodindo caixas eletrônicos, fazendo moradores reféns e ameaçando matar policiais locais.

Eles contam com explosivos, carros blindados e armamento pesado para suas ações. Mesmo procurados, eles ameaçam de morte policiais em recados enviados pelas redes sociais.

"Como a bala entra em nós, entra neles também. A juventude do 'Novo Cangaço' vai voltar e vai cobrar. Nós vamos roubar esse banco e 'fazer latrocínio'. Agora, 'o polícia' que estiver de plantão vai pagar por essa covardia [morte de integrante]", diz um dos integrantes da quadrilha.

"Vamos matar qualquer PM na rua, não importa se trabalha no Corpo de Bombeiros. Nós não somos covardes como vocês, vamos mostrar como se briga, como é o verdadeiro cangaço", continuou o foragido. Veja a íntegra da gravação.
Ilustração doblog

Reféns em Curimatá/PI

No dia 5 de maio, a quadrilha invadiu a pacata cidade de Curimatá, região sul doPiauí, provocando pânico na população. Usando duas caminhonetes, com as carrocerias cheias de material que seria usado na explosão da agência do Banco do Brasil, os criminosos usaram como reféns pessoas que estavam em um bar: elas viraram "escudo" contra a polícia.

"Eles colocaram os reféns em fila na frente da agência. Depois da ação, as vítimas foram espalhadas pelos carros, para dificultar a ação da polícia", contou comandante do policiamento do interior do Piauí, coronel Paulo de Tarso.

A quadrilha, composta por 14 pessoas, conseguiu explodir os caixas eletrônicos. Mas, na saída da cidade, foi interceptada pela Polícia Militar.

Cinco suspeitos morreram no assalto, entre eles estava o líder do grupo Denilson Araquan. Outros seis foram presos e três conseguiram fugir a pé. Foram apreendidos três fuzis, uma submetralhadora, uma pistola e dezenas de munições, além de material explosivo, rádios comunicadores e certa quantidade de dinheiro.

Os fugitivos se esconderam na zona rural do município Morro Cabeça do Tempo (PI) e Avelino Lopes (PI), na divisa com a Bahia. As polícias do Piauí, Pernambucoe Bahia estão na caça ao restante do grupo.

Durante a fuga, que já dura 20 dias, moradores relataram que eles chegam aos sítios fazendo ameaças para ninguém informar à polícia onde estão, além de exigirem alimentos e água. A polícia não informou os nomes dos foragidos e acredita que eles seguem a pé em direção à Bahia. Mas pelo menos um deles, Cícero Henrique, foi identificado pela própria mãe que pede que os policiais o prendam.

"Me ajude e traga meu filho preso porque eu não vou querer advogado para tirar ele não [da cadeia]. Eu quero que cumpra a sentença pelo que ele fez, eu vou ajudá-lo na prisão, vai pagar pelo que ele errou. Mas sou uma mãe aflita e peço, eu só tenho um filho que Deus me deu ele", lamenta a mulher. 

Fonte:http://taperatv.com.br/wpcontent/uploads/2016/05/3e69ef76_6381_4e85_a21a_3e098ec2f71f.jpg

Violentos, irredutíveis e ramificados

"A característica desse grupo criminoso é que os integrantes não se entregam, mesmo encurralados, eles resistem e preferem morrer a serem presos. Eles são extremamente violentos. Porém, a polícia está preparada para contê-los. Não nos intimidamos com os recados que eles estão enviando pelo WhatsApp", afirmou o coronel Carlos Augusto Gomes de Souza, comandante da Polícia Militar do Piauí.

A quadrilha estaria fazendo uma espécie de revezamento nas cidades onde encontram menos dificuldade para praticar os crimes. São municípios com uma ou duas agências bancárias, que não possuem efetivo policial suficiente e onde a delegacia não funciona 24h. 

"Observamos que nas cidades onde eles conseguem roubar dinheiro mais fácil, sempre voltam a atuar", disse o delegado José Rivelino Moraes, da Dinter (Diretoria Integrada do Interior) de Pernambuco.

A quadrilha é originária do sertão de Pernambuco, da região do "polígono da maconha", e atua em cidades que estão na divisa do Estado com a Bahia, o Ceará e o Piauí.

São cerca de 40 integrantes, todos de uma mesma família: os Araquan. Nas décadas de 1980 e 1990, disputas com outras famílias sertanejas como os Benvindo, Cláudio, Gonçalves, Nogueira e Russo resultaram em dezenas de assassinatos em cidades como Floresta, Belém do São Francisco e Cabrobó, todas no interior de Pernambuco.

Segundo a Polícia Civil de Pernambuco, o "Novo Cangaço" é subdividido por setores de atuação. Uma parte é especializada em arrombamentos a bancos e outra em assaltos a agências bancárias e Correios. Além disso, atuam no tráfico de drogas e armamentos. "Cada setor tem um chefe. Nunca vão todos para a mesma ação criminosa, pois caso aconteça de serem presos ou morrerem, o restante do grupo continua a atuar", disse o delegado.

Os integrantes teriam também ligações com milícias no Paraguai e na Bolívia, onde conseguiriam as armas e treinamentos para manuseá-las.
Medo em Curimatá

Após o arrombamento ao banco em Curimatá, moradores têm evitando ficar até tarde nas ruas. Bares, lanchonetes e restaurantes também têm fechado cedo suas portas. Dono de um bar no centro da cidade, que pediu para não ser identificado, conta que os bandidos chegaram à cidade atirando para o alto e fizeram reféns os clientes de seu estabelecimento.

"Foi um terror porque ninguém sabia o que poderiam fazer com as pessoas, pegaram homens e também mulheres. Depois disso, o movimento do bar diminuiu e as pessoas não demoram muito aqui como antes. Eu até prefiro fechar cedo para não correr risco, pois os ladrões disseram que voltariam", disse o comerciante.

Uma moradora da rua Barão do Paraim, no centro, onde fica a agência bancária, contou que estava no terraço da casa quando os carros da quadrilha passaram em alta velocidade. "Como aqui no interior quase não tem movimento, a gente observa logo quando algo diferente está acontecendo. Estávamos no terraço e corremos para dentro de casa com medo de tiros", disse Maria dos Anjos Moreira, 53.

FONTE: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2016/05/26/novo-cangaco-ameaca-policiais-militares-e-moradores-no-sertao-nordestino.htm
com adaptações

quarta-feira, 25 de maio de 2016

10 dicas para policiais que andam armados à paisana




1. Sua arma não lhe dá poderes sobrenaturais. Ou seja, tê-la na cintura não o torna invencível ou membro dos Avengers. Foi-se a época em que tinham medo de quem estava armado;

2. Estar armado em trajes civis muda sua forma de saque, o posicionamento de sua arma e também o condicionamento natural de acesso rápido a seu armamento. Ou seja, treine e esteja consciente desses três pontos;

3. Invista em um coldre para uso velado. Vai ser ridículo ter sua arma presa na borda da calça ou na sua cueca na hora do saque. Deixe essa gracinha para os três patetas;

4. Usa coldre velado em pochete abdominal ou de perna? Treine os saques também com esses acessórios! Sua arma não virá para sua mão de forma mediúnica e seus movimentos “finos” para abrir a pochete estarão prejudicados pelo estresse e pela carga de adrenalina que seu organismo recebeu. Lembre-se disso!;

5. Sua boa intenção não é suficiente para identificá-lo como policial. Tenha E USE o distintivo que lhe caracteriza como tal. Sugiro que ele esteja posicionado na linha de cintura, no mesmo lado onde será realizado o saque. Quando do acesso a seu armamento, IMEDIATAMENTE o distintivo será visto, reduzindo drasticamente sua chance de ser confundido com um bandido;

6. Aumente a freqüência de manutenção de sua arma. Se antes suor não tinha tanto contato com seu armamento pelo fato de você estar fardado, agora vai ter!;

7. Houve troca de tiros (I) e precisou neutralizar a ameaça? Disparos em regiões periféricas do corpo NÃO SOLUCIONAM CONFLITOS ARMADOS. Aquela estória de “dar um tiro na mão…/atirar na perna…” é coisa de quem assiste muito filme e, obviamente, de “achistas”; atinja o agressor social – em não havendo dúvida da necessidade legal de atuar – na região do tórax, abdômen ou pelve gerando uma “cavidade permanente”. Isso aumentará sua possível sobrevivência e a proteção de outras vítimas;

8. Houve troca de tiros (II) e precisou neutralizar a ameaça? Faça o seguinte:

a) Cheque à sua volta a possibilidade de haver outros agressores;
b) Ato contínuo, de forma visual e tátil, veja se você está ferido – primeiro, pescoço, região toráxica, depois abdominal, pélvica e parte interior das coxas (pontos onde hemorragias seriam mais graves), depois, parte interior dos braços e lateral do corpo;
c) É comum que você, por questões psicofisiológicas, não sinta ou perceba alguns ferimentos e nem faça uma checagem periférica para ver se há outras ameaças;

9. Potencialize sua possibilidade de sobrevivência tendo a certeza de que você tem chances de se ferir e vai ter que resistir a dor. Negar ou ter medo desse fator é um sinal de que você está pouco preparado para neutralizar uma ação com o uso da força letal;

10. Ligue para o 190 para comunicar o fato e para se identificar, descrevendo local, pessoas feridas (inclusive você, se for o caso) e como você está vestido, mantendo seu distintivo sempre a mostra; caso alguém se aproxime, mantenha-se alerta e não descuide da manutenção de sua proteção pessoal, pois hoje é raro agressores atuarem sozinhos.

Autor: Tenente-Coronel PMDF Sant’Anna. Fonte: blog Policiamento Inteligente.

GCM DE CAIEIRAS COMBATENDO O TRÁFICO DE DROGAS







A Equipe Delta da Guarda Civil Municipal de Caieiras prendeu três traficantes, um deles menor de idade, e uma grande quantidade de drogas, na madrugada de quinta-feira, 19, no Jardim Vera Tereza.

Com os indiciados foram encontrados 188 pinos de cocaína, 135 pedras de crack, 54 maços de maconha e dinheiro.

Segundo os guardas, os três agiam na cidade vendendo entorpecentes próximos a locais de realização de eventos. Todos moram no Jaraguá, em São Paulo..

(Reportagem:RegionalNews)
(Imagens:Divulgação Gcm)

PRF prende trio com 4,2 toneladas de maconha em Guaíra; apreensão é a maior do ano no Paraná

Apreensão é a 2ª maior registrada este ano pela PRF no país; droga estava em um caminhão, sob uma carga de aveia
PRF prende trio com 4,2 toneladas de maconha em Guaíra; apreensão é a maior do ano no Paraná

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu cerca de 4,2 toneladas de maconha na tarde desta terça-feira (24) em Guaíra, na região oeste do Paraná. A apreensão é a maior registrada este ano pela PRF no estado e a segunda maior no país.

A droga estava escondida em uma carreta, sob uma carga de aveia. O veículo foi abordado por uma equipe da PRF nas imediações da Ponte Ayrton Senna, na BR 163.

Três homens foram presos em flagrante. Um deles, que dirigia uma caminhonete Volkswagen Saveiro, fazia o papel de batedor, informando os outros dois, que estavam a bordo do caminhão, sobre a eventual presença de policiais ao longo do trajeto.

Os presos têm 27, 32 e 49 anos de idade. Aos policiais rodoviários federais, eles disseram que pretendiam levar a carga ilícita de Ponta Porã (MS) para São José (SC).

A pena para o crime de tráfico de drogas varia de cinco a 15 anos de reclusão.

A PRF encaminhou a droga, os veículos e os presos para a Delegacia da Polícia Federal em Guaíra.

A maior apreensão de maconha feita este ano pela PRF no país foi registrada no último mês de fevereiro, em Registro (SP), quando 7,5 toneladas foram encontradas em um caminhão que transportava materiais recicláveis.



FONTE: DPRF